Taila Idzi é artista e arte/educadora.

Formou-se em Licenciatura (2012) e Bacharelado (2014) em Artes Visuais no Instituto de artes da UFRGs e é mestra em educação pela mesma universidade. Atua como professora de artes na Prefeitura Municipal de Porto Alegre.

Em suas pesquisas envolvendo arte e educação, a questão dos afetos e da criação de mundos imaginários vem se fazendo presente desde o início de sua formação. Como as coisas se afetam no vaguear mundano do artista? Como a arte afeta a educação e a educação afeta a arte? Que trocas são possíveis entre estes dois universos e de que forma eles se enriquecem mutuamente por meio de tais trocas?

Ao pensar o tema do afetivo, a artista vem explorando os múltiplos sentidos existentes na palavra “afeto”. Por este motivo, costuma pensar a sua produção artística como laboratórios de afetos. Trata-se das diferentes formas pelas quais vem pensando aquilo que a afeta na experiência humana, em processos nos quais também ela afeta as matérias: a superfície dos metais utilizados na gravura em metal, a forma dos tecidos que serigrafa, as incisões que provoca nos papéis no momentos em que desenha. É por meio destes laboratórios que tudo se afeta, inclusive, a própria artista também se deixa afetar, no momento em que transfigura os sentidos do imaginário em matérias expressivas.